Alguns dias depois da DBR lá fui eu fazer faxina final do percurso do primeiro dia. Munida do gps, percebi que seria fácil seguir o caminho mesmo que não achasse as fitas. Alías que tecnologia hein? O gps é sem duvida o futuro das marcações de provas, simples, sem erro e depois você ainda pode acompanhar sua evolução.

Eu sabia que já haviam limpado uma pequena parte do percurso, então para começar rapidamente com a faxina, tratei de seguir pelo caminho inverso. Isso mesmo, vocês leram direito; caminho inverso! Não sei muito bem aonde eu estava com a cabeça para resolver subir a serra pelo outro lado, mas a paisagem estava linda, e isso fez com que o cansaço fosse abafado.

O que não foi abafado foram as oito horas que eu demorei para fazer apenas 15 km. Quando cheguei na aldeia velha, tive que ligar para o resgate João Marinho ir me buscar, já estava escuro e eu morrendo de frio.

A noite veio, mas o sonho nítido eram as paisagens verdes intermináveis do norte de Portugal, os muros de pedra, as videiras tudo isso ao som silencioso das ovelhinhas e o tilintar de seus sinos.
Life is good!