Entrar na água em Barca d’alva foi fácil, difícil foi começar a remar. O peso do remo já não é o mesmo do primeiro dia. Agora estamos sentindo o esforço acumulado dos dias.

Hoje saímos do rio internacional, a paisagem mudou completamente. Os enormes paredões selvagens deram lugar a morros cobertos por videiras e oliveiras de beleza tão estonteante quanto. O paraíso inóspito deu lugar a pequenos e simpáticos vilarejos e também lindas quintas.

Fizemos varias paradas, os braços começavam a queimar e pronto era o suficiente para deixarmos de remar por alguns minutos.
Tínhamos programado para chegar na barragem perto da uma da tarde. Plano dentro da programação, Rui esperava a gente na barragem do Pocinho. Sorte nossa! Porque tínhamos olhado a hora da eclusagem errada! Tiramos o caiaque da água e fomos almoçar em Foz Côa.

Depois de comer decidimos que iríamos seguir viagem, agora sem apoio. “Yuhu!” comemorava João “Agora começa a viagem de macho”

Para a gente que esta acostumado a fazer as expedições em autonomia foi um luxo ter o Rui durante três dias. Agora era hora de abastecer o Svalbard, nosso caiaque com todos os mantimentos necessários para seguir viagem.

Começamos a remar no fim da tarde e antes de ficar escuro já ligamos os radares para achar algum lugar para pernoitar.

As vezes me assusta a maneira com que as oportunidades aparecem na nossa frente. Uma placa nos indicou o caminho; uma marina escondida, um restaurante perto, um perfeito lugar para montarmos a barraca: protegido, coberto pela ponte do trem, plano e com uma vista digna de um hotel cinco estrelas, como se não bastasse, a lua crescente nasceu para abrilhantar ainda mais o cenário. Assim sob um céu estrelado numa margem em freixo de Nunao termina nosso terceiro dia de canoagem.