Mais um ano de Atravecity, a Alleycat mais tradicional da cidade de São Paulo. Lá vamos nós para décima edição.

“Diabo veste Pink”. Tá certo o nome é um pouco agressivo, mas combinava perfeitamente com a hora do rush e a chuva que castigava a cidade sem dó. Devidamente inscrita e com a equipe base Daniel Brasil, que seria meu informante e me passaria o melhor caminho a ser percorrido. Quatro PCs que seriam anunciados segundos antes da largada.

A chuva gerou desistencias. “Eita povo de açucar, viu?!” Uns não vieram porque São paulo parou! (Ninguém mandou andar de carro!)
Bravos e corajosos estavam presentes. Se juntou uma turma altíssimo astral, bike courriers, ciclistas e amantes da cultura. Bora! Queremos largar!

“Ei me dá meu papelzinho ai! Eu também quero saber!”
Segredo que Tom Cox o organizador e idealizador guarda sempre as sete chaves finalmente revelado: “Pça charles Miller, Pça Cívica (socorro aonde fica isso?) Pça Panamericana e entrada principal do Parque Villa Lobos.”
“Alo Daniel?! Pra onde eu vou?”
Demorou um pouco para eu me entender com o meu apoio base que ia me passando as coordenadas pelo fone do celular, enquanto eu pedalava.

“Isso segue nessa rua que já já ela muda de nome e vai se chamar Caiubi”
“Caiubi??? Meu Deus Daniel você me mandou para a maior subida de São Paulo!”
O traçado em linha reta do Google maps poderia não ser uma boa estratégia, o caminho era mais curto mas a gente não pensou que podia cruzar com subidas intermináveis.
“Tá valendo!”


Foi muito divertido correr com o apoio acompanhando as pedaladas e passando as informações. Atravecity é uma prova muito rápida; estratégia, sorte e conhecer bem a cidade, isso muitas vezes vale mais que a força.

Vinte e dois quilometros depois, estava eu colocando meu último anel no bastão. Fui a segunda mulher e a penultima competidora, talvez porque o pneu da última furou logo na largada, mas “O que interessa é competir!” Não é o que diz o ditado?

“E viva as mulheres que não são de açucaaaar!!!”
…e alguém mais grita: “Mas são docinhaaaas!”
Seis incríveis telas de ruas e avenidas famosas da cidade de São paulo foram pintadas por Marcelo Siqueira e premiaram os 3 primeiros da categoria masculina e feminina. O dinheiro das inscrições é totalmente revertido para premiação. Como se fosse um bolão entre amigos, todos casam a grana, e os vencedores levam.
Com esse espírito, numa oficina de bikes reservada na Vila Madalena, termina o Atravecity.
Deixo meus agradecimentos a organização e PCs que tomaram muita chuva esperando cada um passar, a Rebecca Nogueira pelo registro e incríveis fotos, e um especial ao minha equipe base Daniel Brasil, sem você eu estaria procurando a praça Cívica até agora. Valeu!
Ano que vem tem mais!