Lá fomos nós para mais uma edição do mundial Selva aventura, dessa vez em Juquiá, com base no sítio do Lucas da Chauás.
Equipe formada (e valorizando o patrocinador): Zolino, Carcaça e Andresão.
Nome da equipe? “Carcaça neles!”
“Serio?”
Sério! Carcaça, o mais forte da equipe levaria a gente para o pódio.
“Que confraternização o que? Vamo ganha saporra!”
Luli, menos! Ninguém te ensinou que não pode entrar numa competição assim?_ meu senso crítico.
Ah vai é brincadeira! Mas que nós vamos ganhar vamos!_ meu lado competitivo retrucava.

Sob os comandos do Capitão Caco, o pelotão aguardava as instruções finais para largar.
“Remar contra a correnteza? Tem certeza?”

Quarenta graus na sombra!
A largada foi remarcada para meio dia devido a complicações causadas pelo transito na Régis.
“Meio dia? Fala sério! Melhor eu molhar minha camiseta.”

Primeira etapa da prova: bike. Três voltas em um circuito curto, e no mínimo duas pessoas da equipe deveriam pedalar, podia ser um revezamento. A estratégia era da equipe.
Eu, me achando a capitã da equipe decidi que quem pedalaria seria o Carcaça e o Andresão.

“Luli, vou pedalar as três voltas.”
“Como assim Zolino?”
“É Luli, estou precisando perder barriga.”
Quem era eu para discutir com o organizador de uma das provas mais tradicionais do circuito paulista?

Nós fomos a única equipe que tinham três atletas pedalando no circuito ao mesmo tempo. Isso que é espirito de competição, a nossa disputa era interna.
Em primeiro lugar Carcaça, na categoria peso pena, seguido pelo médio-ligeiro Andre, e por fim o peso-pesado. (brincadeira Zolino)

“Então já que o Carcaça tá na frente, só ele faz a terceira volta.”
“André, Andréeee!!!” Tarde demais! Tamanha empolgação que passou varado para a terceira volta.

Segunda etapa: embarcação selvática. “Seja lá o que isso for…”
O problema não foi remar duas canoas canadenses emendadas, o problema foi encarar os três quilometros de correnteza contra.
É, você tá ai no sofá pensando como é remar contra a correnteza. Se for competir o circuito Adventure camp prepare-se porque o Zolino adorou a tortura.

Na embarcação percebi que o meu cargo de capitã da equipe tinha ido literalmente por água abaixo.
“Isso equipe, agora direita mais forte!”
Zolino, comandava não apenas a direção, mas a equipe toda. Líder nato, incentivava todos e tomava decisões rápidas. Tudo sob controle.

Pelo menos até chegarmos na orientação. Já começamos pro lado errado.

“Deixa eu dar uma olhada nesse mapa aí!”
“Ei aqui tem uma estrada!”

O quarto prisma estava num buraco, e para lá que a equipe foi. Perdemos alguns minutos preciosos buscando o raio do prisma no lugar errado. Completamos a pista de orientação em 57 minutos, isso nos custou mais uma equipe. Em primeiro lugar chegou a Enigma, seguidos pela equipe familiar dos Alfaia,
Carcaça neles ficou em terceiro lugar.

Um podio cheio de premiação e sorteio para todos. Com direito a uma piscina e um slackline (é assim que escreve?)

Parabéns Enigma além do primeiro lugar, levaram o título da equipe mais linda. Que vocês continuem enfeitando muitos pódios por ai.

Obrigada Lucas, por dividir o seu sítio conosco e com seus pais, compartilhar o amor e mostrar como se faz! (Até rimou hihi)
Caco e Selva pela organizacão da prova com tanto amor e carinho.
Obrigada Togumi, sem suas fotos ninguém ia ler meu texto! Japonês você é demais!
Valeu equipe. Carcaça, André e Zola foi uma prazer correr com vocês!
Ano que vem tem mais!