A equipe Guanacos, deu o que falar ficando em 2o lugar na Chauás 300 nesse ano. Do anonimato para a fama após subir ao pódio. Muita gente não conhecia quem eram os bravos guerreiros que despontavam no mundo da aventura.
Não muito longe mas não tão famosos assim; Faca na caveira outra equipe formada por quatro guerreiros Lucky, Leo, Fabio e Mel, que resolveram estrear a sua primeira prova de aventura longa, na mesma Chauás 300.

A corrida de aventura é um esporte ingrato. É difícil conseguir patrocinadores, tem pouca visibilidade, é complicado manter uma equipe com quatro pessoas e seguir com objetivos e ideais comuns. Teve seu boom no Brasil há alguns anos atrás, sua época dourada, aonde num Adventure Camp juntavam se quase 150 equipes numa prova.

Eu nasci corredora de aventura, comecei a competir em 2003 e só em 2009 resolvi diversificar e fui fazer provas só de mountain bike e corridas em trilha, nunca deixando de lado a aventura. A gente muda ao longo dos anos, e talvez a corrida de aventura seja o meu esporte, porque ela é altamente mutante.

Nunca compete se numa prova com as mesmas distancias, no mesmo lugar, com as mesmas modalidades. Quantas vezes fui obrigada a aprender a patinar, a remar uma prancha de stand up, a fazer uma ascensão, experimentar um esporte novo. É motivante descobrir novos esportes, evoluir e mudar.

Num universo que parecia ter fim, 2011 termina verde. Verde do mundo outdoor, das florestas e trilhas. Verde de esperança.

Que 2012 seja o ano de novas formações, dos novos competidores, de um Ecomotion renovado, ou mesmo daqueles velhos nomes que deixam as disputas mais competitivas e saborosas, que seja dos Guanacos, da Faca na Caveira, da Quasar Lontra, da Selva Aventura, da Eu vou, da Aksa, Lebreiros, que seja de todos!

Que a reciclagem do nosso esporte o faça mudar, conquistar, seguir forte e determinado!
Feliz Ano novo!

Equipe Faca na caveira no Chauás 300k