Da varanda da casa era possível ver que o dia ensolarado prometia…
Saímos para explorar o oceano que nos rodeia. Em um caiaque duplo eu ia na frente e o Diogo remava (cair de skate tem suas vantagens!) Igor e Marina acompanhavam em caiaques simples. A primeira parada foi na praia transparente da Ilha Comprida…
… a segunda, mais vários quilômetros depois, foi na ponta grossa…

…para almoçar no restaurante Catimbau.
Pedimos as tradicionais “lulinhas fritas”! 
Difícil foi remar (para eles) de volta à “nossa” Ilha.
Domingo foi dia de correr e explorar a terra firme. 
Ilhados poderíamos estar sem opção, mas não! O caminho de 3 quilômetros que contorna a Ilha é provavelmente a trilha mais variada que conheço em tão curta distancia:

tem caminhos estreitos, quase secretos…
…areia, terra, lama, piso, subidas e descidas, e praia linda!
De beleza humilde e brasileira.

Que por vezes beira o mar…
…e por outras embrenha se na abundante mata atlântica.
Sobe por escadas intermináveis…
…e mais escadas até que…
…colhem se os frutos! Eeeh Brasilzão!

O fim de semana termina com mais um brinde à Dani e muitas lulinhas fritas!
Dani, obrigada pela hospedagem cinco estrelas. Marina, Igor, Diogo pela companhia!
LIFE IS GOOD!