Os últimos dois dias de Singletrack 6 foram marcados por mais trilhas incríveis, visual singular e calor assassino. Quem diria que no mesmo lugar onde congelamos há quatro anos atrás, estávamos desidratando de tanto calor.

A chegada do último dia foi com uma turma de belgas (turma essa que a gente pedalou junto vários dias) animadíssimos pelas trilhas fizeram questão de esperar a gente para cruzar a linha de chegada e aprender a dancinha pink.

A Singletrack 6 está longe de ser a prova mais difícil que já completamos. Sofremos sim, principalmente com o calor que fez.
Eu estava menos treinada do que a Dri e as bikes também contribuíam na diferença de ritmo. A partir do segundo dia nós descobrimos as diferenças e rapidamente montamos a melhor fórmula para andarmos juntas o tempo todo; nas subidas a Dri ia constante na frente eu seguia atrás, nas descidas a gente invertia.

A Singletrack 6 foi a terceira competição em estágio que fizemos no Canada (Transrockies e BC bike race) acreditamos que não existe pais melhor para o Mountain bike em trilhas. Os singletracks daqui são minuciosamente projetados, as trilhas são batizadas por bikers, por amantes da pilotagem. Matthew Page, um inglês que fez a prova escreveu “Eu achava que era bom em singletracks até vir para o Canada e ver os Canadenses!” Realmente eles são os donos da trilha!

Aqui as subidas são técnicas e os downhills então nem se fale, e por falar:
Ahhh os downhills!!! Essa foi a primeira prova que fizemos com descidas cronometradas. Foram quatro dias com “competição dentro da competição”. Eu ansiava pelas descidas, algumas extremamente técnicas outras pareciam montanhas russa, onde a velocidade que a bike descia era suficiente para ela subir sozinha. “Flowy singletrack” como diriam por aqui.
Tenho que concordar com o Europeu, eu me achava a rainha da técnica, aqui no meio das canadenses consegui uma honrosa classificação mediana na geral final do downhill.

Mulheres. São destemidas. Sim, nunca fizemos uma competição com um número tão expressivo delas. Solos, duplas e mistas.

A Singletrack 6 nos satisfez de começo ao fim; organização impecável, que aliás com a bagagem de tantas competições no currículo (são os mesmos organizadores da transrockies) não poderia decepcionar. Trilhas escolhidas a dedo e compartilhadas pela comunidade biker com atletas de mais de 17 países diferentes.
Atmosfera de diversão acima da competição, claro que a competição existe, mas em uma prova onde cerveja é um dos patrocinadores, já espera se que a convivência social e troca de experiências das pedaladas seja um dos pontos altos do dia.

Fica a saudade de mais uma prova repleta de risadas marcada pelo pink, danças trilhas e convívio. E fica também a certeza; pedal no Canada não tem igual.