O dia estava azul no ultimo dia de competição. A largada ao lado do Lake Macguire trazia ânimo às perninhas já massacradas por 3 dias de competição. Seriam mais 54 quilômetros para adicionar ao odômetro da Port to Port.
Logo na largada encontrei com uma menina que me perguntou:
_”Você fez o Cape Epic?”

largada girls Port to PortAngelique, uma sul-africana que competiu também em dupla feminina ha sete anos atrás me reconheceu pelas antenas. (!?) Essa é a magia do mountain bike; ali estávamos Africa do Sul e Brasil alinhadas para uma competição na Austrália. Que delicioso cruzar e reencontrar tantas pessoas fabulosas nesse mundo das duas rodas.

O ultimo dia foi o meu favorito largando em Cams Wharf e viajando até Newcastle . Em termos de percurso porque teve todo o tipo de terreno; singletracks, doubletracks, ciclopistas, downhills e uphills tecnicos. Em termos de visual; costas com praias paradisíacas e desérticas, florestas de eucaliptos com samambaias verdes exuberantes, campos de golfe.

A chegada ao lado da praia de areia branca fechou o dia com chave de ouro. Um enorme gramado onde todos os atletas curtiam o descanso merecido de quatro dias intensos de pedal. Com a premiação, food trucks, e bate papo gostoso com novos amigos.

A Sam (minha amiga de Gold Coast que eu sempre apanho nos treinos para alcançar) ganhou na categoria master. Talvez eu nunca a alcance, mas a sensação é de ter uma irmã mais velha competindo: “Pode me passar, a Sam tá lá na frente e dela você não ganha!”

Newcastle finish lineObrigada a todos que postaram seus comentários aqui no blog e acompanharam mais essa aventura. Obrigada especial à organização e staff da Port to Port.

E um obrigada mais que especial à Jesus que teve uma santa paciência com a princesa e suas vontades nos sete dias transitando de um lado para o outro a bordo de uma Campervan. Ah e falando nisso “CAMPERVAN o capítulo a parte” vem logo mais!