Salerno Vietri di Potenza91.3 k – 9.53h – Ascensao 1506

A saída de Salerno típica de cidade grande, demorou um bom bocado ate a gente encontrar o silencio. Com trinta quilômetros as paisagens começaram a ficar muito bonitas; vastos campos verdes com oliveiras, grandes montanhas e rochedos.

ItaliaO destino do dia era Vietri de Potenza. Apos algumas ciclo viagens juntas, sabemos do que somos capazes e do que é melhor nem sonhar. A distancia razoável de pedal diário costuma ser em torno dos 70 k por dia; estamos de tandem com uma pequena mochila na garupa que leva comida e outras coisas pesadinhas que aliviam as nossas mochilas individuais. E so!

O percurso é feito através do google maps. Pesquisamos caminhos  para pedestres e transferimos o percurso escolhido para o Suunto, depois e so seguir o que o relógio manda. Acontece que nem sempre o caminho escolhido é transitável ou publico.

push bike tandemFoi o que aconteceu apos o almoço (“almoço” salgadinho e um doce num bar beira de estrada no meio do nada) perdemos a trilha. O caminho marcado não existia! Não sei bem explicar porque quando essas coisas acontecem, a gente começa a se divertir ainda mais; estar perdida no meio do mato empurrando a tandem estrada de terra acima para tem sabor especial. Como diria meu pai “de perto ninguém e normal.”

perdidasO dia foi de aventuras depois de finalmente encontrar o caminho, o que não encontramos foi o hotel. Outro tilt que as vezes o google da; ele diz que ali tem um hotel, mas quando chegamos “ali” …”Cade o raio do hotel?”

campo verde mtbJa estava quase escuro quando decidimos seguir viagem ate chegar de fato em Vietri de Potenza. As 6 e pouco da tarde ja no escuro chegamos a pequena e simpática cidade. Depois de insistir na pergunta descobrimos que realmente naquela cidade não havia NENHUM lugar para ficar.

“Oito quilômetros daqui?”

Da para conversar em português, o povo italiano é incrivelmente receptivo e simpatico e as duas línguas latinas pouco se perdem na tradução.

Hora de refazer a estratégia; paramos a Dri colocou o head lamp e eu prendi o celular com a lanterna acesa na minha mochila para seguir os quilômetros faltantes em segurança. E se tinha um dia especial para pedalar a noite foi esse; a lua nascia enorme e prateada iluminando todo o nosso caminho.

A aventura disfarça o sofrimento e a noite magica não nos deixa lembrar o frio ou a bunda quadrada. Apos 90 k achamos o hotel a beira da pequena estrada no meio do nada. Amanhã tem mais!

Buonanotte! ponte