“Mas é para ganhar.”

Ainda meio reticente achei melhor não discordar da estratégia otimista escolhida pelo Bruno para a nossa equipe mista numa prova multi esporte: 4 quilômetros de caiaque e 12 quilômetros de corrida. 

Ha muito que eu não competia em caiaque, uma das modalidades que sempre me encantou das corridas de aventura. “Para ganhar? Siga!”

Corrida não poderia treinar porque ainda estava sentindo o meu joelho da competição do final de semana anterior (depois eu conto), tínhamos planos para testar o caiaque mas a rotina atropelou mais uma vez.

“Se não conseguirmos testar eu remo atras!”

Mesmo com a nossa diferença de peso sabia que poderia ajudar remando atras para fazer o leme e acertar a sincronia.

A largada da prova era na praia fluvial de Melres, o rio estava um espelho e o sol anunciava o calor que estava por vir.

Eram 40 equipes, 16 mistas prontas para largar e encarar o primeiro trecho no braço.

Aquele nervoso gostoso; adrenalina toma conta do corpo e num instante o grito se transforma num sprint em direção ao nosso caiaque.

“Vai!!!”Fomos bem rápidos para entrar na água evitando nos degladiarmos com tantos outros caiaques. Em questão de minuto já sabíamos com quem teríamos que disputar; a primeira equipe que liderava era mista! 

“Sério?!”

Sabíamos que pelo avanço deles, na água não conseguiríamos vencê-los. Seguimos remando forte na frente de outros 38 caiaques.

O trecho era subir o rio contornar a bóia e voltar . No retorno tentando desviar dos caiaques que ainda subiam o rio esbarramos com uma dupla masculina que remava numa falta de sincronia curiosa:

“O segredo é a técnica.” Diziam eles e mesmo em zig zags batendo remos disputavam o segundo lugar na água conosco.

Eu só conseguia rir.

Saímos da água em rápida transição para a corrida, mal descemos dos caiaques eu já estava montando o reboque.

Aí você pergunta “Reboque?”Muito utilizado nas corridas de aventura uma mini corda ou elástico para que o atleta mais forte puxe o mais fraco. Uma ótima estratégia para manter o pace e a equipe unida.

O Bruno seguia forte na frente sem dar muita importância ao peso extra que puxava, já eu conseguia manter o pace imposto e me esforçava para tirar a tensão da corda.

A primeira equipe mista estava a uma distância visual e aos poucos fomos descobrindo qual seria a estratégia. 

“Estamos mais fortes na subida, vamos nos aproximar e esperar para atacar.”

Numa das subidas íngremes passamos no trote a equipe que caminhava forte.

“Agora é só gerir.”

Abrimos uma boa distância. Lá no alto da montanha víamos o rio Douro e serras lindas, já não víamos as 4 equipes masculinas  na nossa frente e nenhuma equipe para trás.

Seguimos curtindo a corrida as montanhas e a manhã. Com menos de duas horas de prova cruzamos a meta.

Missão dada, missão cumprida.

Primeiro lugar entre as equipes mistas, quinto lugar na geral entre as quarenta equipes participantes. Obrigada a toda a organização da prova! Estava tudo cinco estrelas!

Valeu Bruno pela sinergia e manhã espetacular! 

Obrigada Rui pela torcida exigente e apoio incondicional!

Que venham mais aventuras assim!