A nossa ideia inicial era ir para a ilha de Rab para remar, mas o tempo se mostrava melhor em Losinj, ilha onde terminou a competição.

“Porque vocês não mudam o plano e ficam por aqui? Existem muitas lindas ilhas aqui ao redor.” Sugestão do organizador da 4 Islands.

A gente sempre foi dessa apologia; “Tenha sempre um plano mas esteja sempre pronto para muda lo para um plano melhor.”

Especialmente nessa viagem percebemos que o ato de não se opor ao que nos foi mandado, aceitar e deixar o plano novo seguir teem dado muito certo; mudamos de rota na cicloviagem, mudamos da tandem para duas bikes na competição, mudamos a ilha do destino do remo. Assim como um rio que contorna os obstáculos nosso presente fluiu magicamente.

Dessa maneira achamos um simpático Croata que fala português que arrumou um amigo que nos alugaria um caiaque. (A maioria dos lugares que achamos ainda não estavam abertos para a temporada)Chegamos à tarde e olhando as condições, corrente e ventos era melhor sair naquele dia mesmo.

O plano do primeiro dia era sair de Mali Losinj e remar até Unije, uma ilha com apenas 85 habitantes.

“Quando vocês chegarem lá falem com Robi, ele vai arrumar lugar para dormirem e comerem.”

Quase as três da tarde entramos no adriático colorido com destino a mais uma ilha. (A costa da Croacia tem 1200 ilhas!) O mar estava relativamente tranquilo com pouco vento, o sol entrava trazendo mais vivacidade a paisagem.“Vamos atravessar e ir acompanhando aquelas ilhas e depois de passar duas a nossa será a terceira!”

O Google maps ajuda a navegação! A segunda ilha antes de chegar a nossa era longa e alô já fazia um bom tempo que estávamos fazendo esforço.

Ainda bem que Ivan o cara que nos alugou o caiaque insistiu para que levássemos o neoprene. Eu e a minha falta de noção estávamos achando que não seria necessário.
“Que água mais gelada!” E os pingos que caiam na minha cabeça no final de tarde estavam me congelando.Na última ponta da ilha que viramos avistamos finalmente Unije. O sol se punha e o colorido do final de tarde estava mágico!

Robi já esperava a gente na praia, após 5 horas de remo e quase 25 quilômetros, as 20hs conforme nossa espectativa chegamos na praia de pedras brancas.

Ficamos na casa de uma senhorinha Croata. O Vilarejo que tem 85 pessoas no inverno tem mil no verão. Como a temporada ainda não começou éramos 87!
“De pensar que no prédio que eu moro devem ter mais do que isso!”

A gente se comunicava em português e ouvia Croata na resposta, e quer saber? Nos entendemos perfeitamente com a senhorinha!

Uma noite estrelada e silenciosa em um vilarejo de uma pequena ilha no meio do adriatico. O mar estava calmo e a música das pequenas ondinhas que chegavam na praia embalou nosso sono profundo. Ate amanha!