Tive que encarar a ponte de vidro como um programa turístico, que afinal ela é! Sabia que pegaria filas, aglomerações mas fiz essa escolha e preparada para o que vinha saí para me divertir.

Do hotel levava uma foto da ponte comigo, porque teria que pegar o ónibus publico e sabia que chegar até la seria o grande desafio do dia. Foi divertido ir seguindo os gestos e direções que iam me dando pela rua até finalmente conseguir entrar no ónibus certo. A famosa glass bridge fica pouco mais que meia hora afastada da pequena cidade de Wulingyuan.

Depois de passar a segurança do parque, deixar a minha maquina fotográfica no locker (porque não era permitido) entrei no parque.

Fato curioso; aqui na China todo mundo usa WeChat um aplicativo parecido com o nosso Whatssap, e através do WeChat é possível fazer pagamentos, ou seja, todo mundo paga tudo através de seu celular, nesse caso inclusive o locker. Já eu, tive que confiar no Chines do parque a usar o seu WeChat para trancar e depois abrir o meu armário, ele fez o pagamento com seu celular e eu lhe dei o dinheiro. (Depois prometo escrever um post só sobre episódios engraçados sobre confiar ou desconfiar aqui.)

A entrada principal do parque ja da acesso a parte de cima do grand canyon e logo após colocar a proteção nos sapatos logo estamos caminhando sobre o canion.

Não sou uma pessoa de muitos medos, mas confesso andar sobre o vidro pra mim é algo que eu tenho que trabalhar para conseguir, e depois de feito não esta aprendido. Toda vez a aflição é igual!

Na ponte, que tem seis metros de largura, é possível andar pelas laterais e não pisar no vidro, basicamente o que eu fiz muitas vezes para chegar até o outro lado. A Glass Bridge é a mais longa (430 m) e a mais alta do mundo (300 m).

“OMG!” Olhem a sombra da ponte na foto aqui abaixo:

As vezes que subi no vidro, fiz isso agachada ou sentada, e depois fiquei rindo sozinha, de mim e de todas as pessoas que faziam o mesmo. Será que a gente acha que vai cair de mais baixo?

As fotos ficam que parecem photoshop, né?

A vista la de cima é linda, montanha com vegetação bem densa. Claro que o lindo dia de sol tornou a experiência possível e inesquecível. O ticket que eu comprei incluía a glass bridge e o grand canyon chines.

Depois que saí da ponte comecei a descer para o trekking numa trilha do Canyon que beira o rio, que em contato com os minerais tem uma linda cor turquesa. La de baixo é possível ver a ponte e seu comprimento de impressionar.

Na trilha que beira o rio as pessoas ja estão diluídas e a diversão agitada para a calmaria que a natureza sempre traz.

Eu me encanto muito com o paisagismo criado e com a aplicação dos material nas areas dos parques que passei aqui na China; são sempre escolhas que respeitam a beleza natural, lixeiras e guarda corpos que imitam troncos, caminhos de pedras, as vezes decks de plástico que é de se jurar que são de madeira.

Uma pequena tirolesa beira o canyon, poucos metros que aceleram um pedaço da trilha, paga-se pouco para quem quer se arriscar e claro que a gente quer né? As instruções foram todas em cantonês, inclusive como parar e diminui a velocidade. Adivinha o que aconteceu comigo? Fui direto e reto bater no colchão que amortece o choque de quem não fez nem uma coisa e nem outra.

No final, um passeio de barco nos leva de volta ate a saída do parque. Porque é que eu fui ao barco de ontem mesmo?

Love from China!